Exposição correta na gôndola pode resultar na rentabilidade do varejo
10/04/2018
Açougue como foco das vendas no varejo alimentar
17/04/2018

No Quadro Cine Flix: Era uma vez o supermercado…

Já parou para pensar como surgiu a ideia de se ter um espaço com acesso a diversos produtos e prateleiras, onde o cliente pudesse procurar sozinho o que gostaria de comprar? Foi a partir desse conceito que surgiu o primeiro supermercado no mundo, nos Estados Unidos, ainda na década de 30.

A história desses centros de varejo começou na cidade de Nova York com a inauguração do supermercado “King Kullen”, cujo negócio foi montado pelo empresário Michael Cullen depois de adaptar um galpão industrial e enchê-lo de produtos, especialmente de gêneros alimentícios. Lá, os clientes podiam se servir sozinhos e ainda contavam com as diversas promoções que eram feitas na loja.

Os preços praticados por Michael geralmente eram melhores aos que o consumidor encontrava no comércio especializado. Após ser pioneiro, o empreendedor abriu portas para outros empreendimentos do mesmo segmento que, cerca de 20 anos mais tarde, se expandiu para os países europeus e também ao Brasil.

No Brasil, os primeiros supermercados começaram a chegar em meados de 50. A primeira loja foi o “Sirva-se”, inaugurada no ano de 1953 em São Paulo.

Naquela época, os estabelecimentos geralmente contavam com uma roleta na porta de entrada para controlar o fluxo de clientes. Muitos achavam que era preciso adquirir ingressos para entrar e o equipamento foi retirado. Os hipermercados começaram a surgir em 1980.

Atualmente existem mais de 80 mil supermercados no Brasil. De acordo com os dados divulgados pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), em 2016, o faturamento médio por metro quadrado do setor apresentou expansão de pouco mais de 7,5%, passando de R$ 26,9 mil por ano para R$ 28,9 mil. O faturamento nominal do segmento no ano ultrapassou R$ 314,7 bilhões.

Referência em autosserviço, esse modelo de negócio também traz números expressivos. Um levantamento da Nielsen referente ao setor mostra que o volume de lojas que constitui o autosserviço brasileiro atingiu uma alta de 0,5% entre 2015 e 2016. Já o espaço para a exposição do mix foi de 21,6 milhões de m² para 21,7 milhões de m².

Houve também crescimento na quantidade de checkouts, que passou de 222,8 mil para 225 mil, alta de 1%.

Atentos ao mercado

Com o setor em constante expansão, as lojas do segmento são frequentadas diariamente por milhões de brasileiros e se tornaram as maiores vitrines para os produtos, indústrias e marcas. A concorrência também é impiedosa e, por isso, o varejista deve estar atento às transformações no mercado para poder fidelizar a clientela.

Pensar em soluções diferentes e aplicar melhores práticas nos estabelecimentos são ações eficientes para quem pretende estar preparado para o futuro do varejo. Essa reformulação parte de oito etapas importantes que são:

1° Definição do modelo da loja
2° Criação de um software único para integração de dados da rede
3° Desenvolvimento dos processos de venda
4° Definição do modelo logístico
5° Formação de lojistas e vendedores
6° Desenvolver serviços aos lojistas
7° Construção de relação com sócios
8° Planejamento de negócios em conjunto com a indústria

Com planejamento e acompanhamento das tendências, o varejista consegue fazer do negócio um diferencial aos demais e se mantém preparado para essas absorver as novas informações sem qualquer dificuldade.

Toda essa história do supermercado você confere em um vídeo animado no Quadro Cine Flix, que traz ainda informações sobre a tendência dos dias atuais para os pequenos e médios varejistas.

Assine agora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *